Entrar // Sobre // Equipe /
kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

30 dias em São Paulo - Dia 23


28/08/2013 – VIGÉSIMO TERCEIRO DIA – Como o planejado no dia anterior, nos encontramos com a professora Márcia Pimentel na escadaria da Catedral da Sé por volta das 11 horas da manhã. Os discentes, da Pós-graduação da Geografia da UFPA em missão PROCAD na Geografia da USP, estavam presentes. Elcivânia, Cleisson e Figueiredo. Somente Kamila, discente da graduação em missão PROCAD, não pôde comparecer devido problemas de saúde.
Mais um trabalho de campo com a Profª. Drª. Márcia Pimentel da Faculdade de Geografia da UFPA, pela missão PROCAD-Casadinho UFPA/USP.
A professora Márcia explica o roteiro que o nosso grupo desenvolverá começando pela história da cidade de São Paulo, sua expansão urbana e as características geomorfológicas da área entre outras explicações correlacionadas.  
Deixamos o Largo da Sé e nos encaminhamos para o Pátio do Colégio, lugar onde nasceu a cidade de São Paulo. Em seguida, bem próximo dali, fomos conhecer o solar da Marquesa de Santos, famosa por ser amante do Imperador D. Pedro II e que marcou seu nome na história do Brasil como uma mulher de muita influência política. Ali, observamos as cartas amorosas que D. Pedro II trocava com a Marquesa e muitos objetos da época como cama, piano, retrete e etc.



Dali a professora Márcia nos explicou que estávamos sobre um platô e que ao descermos em direção a 25 de março estaríamos numa área de várzea. Dizia-nos a professora que a cidade de São Paulo se constituiu sobre o platô, depois foi se expandindo, ocupando a várzea.
Seguindo os passos da professora Márcia, muito conhecedora de sua cidade, paramos e almoçamos num restaurante de cozinha a árabe.
Depois do almoço, nossa excussão pelo centro de Sampa, prosseguiu até a Galeria Pagé. Entramos preocupados com a quantidade de pessoas ali e observamos um comércio efervescente. Diversos produtos eletrônicos e serviços nesse sentido a preços bastante tentadores. Pessoas comprando de caixas e caixas de mercadorias. De volta às ruas, numa dobrada, avistamos a arquitetura oponente do Mercado Municipal, que a professora Márcia chamava de Mercadão. Ali entramos para observar. Numa das saídas, a professora parou e nos explicou mais uma vez a situação de várzea daquela área e que durante muito tempo a mesma era imprópria para moradia. No entanto, com os avanços das obras de engenharia, a área urbanizou-se.
Próxima ao Mercado Municipal, a famosa Rua 25 de março. Subimos por ela tentando escapar dos inúmeros vendedores ambulantes que ocupam as calçadas. Tarefa não muito fácil, pois as abordagens eram bastante decisivas. Eu imaginava de onde vinham aquelas pessoas tão desesperadas para vender e como elas conseguiam se manter naquela cidade de custo de vida tão elevado. Foi quando a professora Márcia dobrou numa rua transversal a 25 de março. Na verdade tratava-se de uma ladeira, a Ladeira da Constituição. Ladeira por demais íngreme que nos fez sentir os joelhos e respirar ofegantes ao final.
Já recuperados andamos alguns metros e nos deparamos com a Catedral de São Bento. A professora Márcia nos explicou que ali o Papa João Paulo II ficou hospedado em uma visita feita a São Paulo. Dali, seguimos na mesma rua da Catedral e olhamos, do viaduto Santa Efigênia, o trânsito congestionado no sentido norte da cidade. No viaduto havia alguns artistas de ruas batalhando um trocado.
Retornamos no sentido da Catedral de São Bento e avançamos em direção a rua São Bento. Nosso objetivo agora era ver a cidade de São Paulo dos 161,22 metros de altura do edifício Altino Arantes mais conhecido com Prédio do Banespa. E assim fizemos após um longo tempo na fila. A vista era deslumbrante, podíamos ver os locais que tínhamos visitado anteriormente e mais a Serra da Cantareira que mais parecia um imenso muro a proteger a cidade. Cinco minutos cronometrado pela funcionária do prédio. Tempo bastante reduzido para explicações e reflexões sobre o percebido.
Dali, continuamos nosso percurso até o Largo do Café, ainda na rua São Bento.  Paramos para tomar um café com bolo. Depois seguimos até a Praça do Patriarca, vimos a Prefeitura Municipal de São Paulo, olhamos o Vale do Anhangabaú e o Teatro Municipal de cima do viaduto do Chá. Ouvimos mais explicações sobre o conjunto paisagístico pela professora Márcia e depois seguimos em direção a Faculdade de Direito.
A fachada da Faculdade de Direito é bastante rica em detalhes. Nos passa uma sensação de imponência. Ali estudaram muitas figuras históricas importantes como Rui Barbosa e o poeta ultrarromântico Álvares de Azevedo.
Havia mais um lugar onde a professora Márcia queria nos levar. Era o centro comercial dos japoneses conhecido como Liberdade. E para lá seguimos.
O dia estava chegando o fim e os estabelecimentos comerciais estavam todos fechando. Havia muito ambulantes pelas calçadas ali. Uma mulher, que mal falava o nosso idioma, com seu bebê no colo, estava sentada sobre uma manta estendida no chão vendendo alguns produtos.
Em seguida, seguimos para Estação Liberdade. Era o fim de nosso trabalho de campo com a professora Márcia Pimentel.

As impressões do centro da cidade foram bastante marcantes. A condição humana objetivada. A simplificação do viver na cidade parecia ser unicamente ganhar dinheiro para sobreviver. O vazio de nossas vidas preenchidas por essa ilusão do consumismo que consumia o melhor de nossas vidas. A desigualdade tão brutal e imensa quanto o tamanho dessa metrópole. Meus ouvidos estão estourando ao som surdo desses gritos desesperados que essas ruas emanam. No apanhar do metro meus sentidos tentam se estabilizar. Pois não faz sentido chorar quando a realidade é infinitamente superior à dor.

 Texto e fotos: Walter Rodrigues.

Esta postagem faz parte dos relatos das experiências de um estudante paraense em São Paulo em ocasião de um intercâmbio feito entre os cursos de Geografia da UFPA/Belém e o curso de Geografia da USP/Butantã. As postagens serão equivalentes aos dias vivenciados, como numa espécie de diário de bordo. Os textos se propõem a ser sintéticos e informativos. Dessa forma, objetivamos gerar resultados e informação sobre essa interessante modalidade de aprendizado partindo da percepção do estudante sobre o novo mundo que se desvenda diante de seus sentidos diariamente. No total serão 30 dias em São Paulo, morando no Condomínio Residencial da USP, o CRUSP. 
Saiba mais clicando aqui! 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...